sexta-feira, 21 de maio de 2010

Todo dia é dia de Yoga

Em Yoga e meditação, o importante é criar condições para praticar diariamente. Basicamente há dois momentos: um, que tem a dimensão que você quiser, de preferência o dia inteiro, pois, no fundo, estamos falando de um modo de viver, sem estresse; o outro momento inclui aqueles em que somos tomados por uma determinada situação, por sentimentos intensos, positivos ou negativos. Esses momentos extremos são os mais exigentes, pois neles podemos nos perder. E não há sábio que não esteja vulnerável a uma situação dessas.

Por isso, a sugestão é treinar, condicionar-se, exercitar a capacidade de concentrar-se, de respirar corretamente, de lidar com a realidade de uma forma adequada. Assim, vamos aumentando a nossa capacidade de manter a tranquilidade e o autocontrole diante das situações mais difíceis.

Não basta fazer um exercício apenas, por mais maravilhoso que seja, num período curto, determinado. Afinal, temos uma vida inteira de desafios. Essa “vida inteira” exige saber lidar com os desafios, ser feliz, curtir, deixar passar, ser maleável. O grande propósito de viver é simplesmente continuar vivendo. O momento que deixamos de viver está absolutamente fora do nosso controle. Se tudo é passageiro mesmo, vamos lidar com essas circunstâncias do melhor modo possível.

No cotidiano, podemos nos habituar a nos sentirmos um yogue, ou uma yoguine, praticando o estado de tranquilidade, evitando exageros. Podemos também reservar alguns minutos do dia para lembrar que o nosso corpo e a nossa respiração existem. O mais difícil é ficar sem fazer absolutamente nada. Não somos incentivados a isso, de forma alguma. Viver é realizar, mas também é “não agir”, deixar que a vida prossiga. Essa capacidade de deixar a vida seguir nos dá a consciência de que tudo é impermanente, transitório. Claro, haverá algumas tarefas que teremos de fazer. Faça e pronto, acabou. Dê chance a outra pessoa fazer também. De insubstituíveis, o cemitério está cheio.

Somos importantíssimos para quem nos ama, para nós mesmos e para a vida. Tanto é que estamos vivos. Isso já é muito bom.

Então, crie uma disciplina de praticar minimamente os exercícios de Yoga. Durante todos os outros horários da vida, mantenha essa consciência, com a capacidade de fazer e ser testemunha do que faz, e vá praticando o seu trabalho, as suas atividades. Preste atenção em você mesmo.

Pratique Yoga todos os dias, e sem estresse, sendo testemunha de si mesmo. Só o fato de estar prestando atenção em si, já é ótimo. Perceba que você é uma pessoa livre, que tudo passa, que nada é tão importante assim. Em geral, a felicidade é feita de pequenas coisas. Saboreie!

Thadeu Martins